AGETO 09/09/2019 - 16:04 - Luzinete Bispo/Governo do Tocantins

Governo finaliza capa asfáltica em rodovias do sudeste

Com o novo asfalto a situação está sendo resolvida de forma a garantir o conforto e a segurança de todos os usuários da via. Com o novo asfalto a situação está sendo resolvida de forma a garantir o conforto e a segurança de todos os usuários da via. - Divulgação
A boa notícia é que o microrrevestimento está sendo finalizado. A boa notícia é que o microrrevestimento está sendo finalizado. - Divulgação
Um dos trechos que também estará recebendo a sinalização é da rodovia TO-110, de Dianópolis a Novo Alegre, na divisa com Goiás. Um dos trechos que também estará recebendo a sinalização é da rodovia TO-110, de Dianópolis a Novo Alegre, na divisa com Goiás. - Divulgação

O Governo do Tocantins, por meio da Agência Tocantinense de Transportes e Obras (Ageto), finalizou  a capa asfáltica  em todos os trechos nos quais está fazendo a reconstrução asfáltica na região sudeste do Estado. E, a partir desta semana, estará empenhado em implantar o microrrevestimento, a sinalização horizontal e vertical desses trechos, com expectativa de término até dezembro. 

As obras estão sendo realizadas nos seguintes trechos: Dianópolis a Novo Jardim; Novo Jardim à divisa TO-GO; Divisa TO/GO (Garganta) ao Entroncamento da TO-040 (Dianópolis); Entroncamento TO-040 a Ponte Alta do Bom Jesus; Ponte Alta do Bom Jesus ao Entroncamento da BR-242 (Taguatinga); Taguatinga a Aurora; Aurora a Lavandeira; Lavandeira a Combinado; Combinado a Novo Alegre; Novo Alegre à divisa TO-GO. Além do entroncamento da TO-110 que dá acesso ao balneário turístico dos Azuis, em Aurora do Tocantins.

A reconstrução dos 11 trechos, somam 284,80 km de extensão que estão recebendo um investimento de R$ 80,2 milhões dos recursos do contrato de empréstimo firmado entre o Governo do Estado do Tocantins e Banco Mundial.

“As obras têm como objetivo a melhoria do sistema logístico do Tocantins, facilitando o tráfego nas estradas tocantinenses, melhorando assim, o escoamento da produção do agronegócio regional” declarou o engenheiro da Ageto, Wilson Roberto Póvoa.