AGETO 27/03/2019 - 13:25 - Luzinete Bispo

Governo autoriza início de pavimentação da TO-141 entre Palmeirópolis e a divisa com Goiás

Projeto prevê a realização de obras de terraplenagem, drenagem pluvial e pavimentação asfáltica de 26,25 km da rodovia Projeto prevê a realização de obras de terraplenagem, drenagem pluvial e pavimentação asfáltica de 26,25 km da rodovia - Thiago Sá
A pavimentação do trecho é uma demanda antiga da população de Palmeirópolis A pavimentação do trecho é uma demanda antiga da população de Palmeirópolis - Thiago Sá

O Governo do Estado autorizou por meio de ordem de serviços o início das obras de pavimentação da TO-141 entre Palmeirópolis e a divisa com Goiás, na região sul tocantinense.  A autorização será emitida na próxima segunda-feira, 1°.

O projeto prevê a realização de obras de terraplenagem, drenagem pluvial e pavimentação asfáltica de 26,25 km da rodovia. A estrada terá pista simples de mão dupla com faixa de domínio de 80 metros. O contrato Nº 01/2019 já foi assinado entre a Agência Tocantinense de Transportes e Obras (Ageto) e o Consórcio Caiapó/Milão/DBO, no valor de R$ 24.094.055,25 milhões, com prazo de entrega da obra em 540 dias.

Os recursos são provenientes do Projeto de Desenvolvimento Regional Integrado e Sustentável (PDRIS), na modalidade pavimentação, financiada pelo Banco Mundial.

As especificidades da via foram determinadas após estudos de viabilidade técnica. Um projeto moderno e arrojado, desenvolvido após estudos de tráfego, ambiental e de viabilidade sócioeconômica.

O sistema a ser utilizado será o TSD (Tratamento Superficial Duplo), que levam duas camadas de britas intercaladas com emulsão asfáltica com a sobreposição do acabamento em microrrevestimento asfáltico. Materiais apropriados para suportar a carga calculada para a rodovia.

A pavimentação do trecho é uma demanda antiga da população de Palmeirópolis e região que é uma grande produtora de látex no Tocantins.  “Além do látex, essa região também é grande produtora de gado e a obra vai facilitar o escoamento dessa produção ”, explicou o presidente da Ageto, Virgílio Azevedo.